Search

Roteiro completo: Foz do Iguaçu em 5 dias com crianças

Conteúdo atualizado em 5 de novembro de 2023

Vou começar esse post sobre Foz do Iguaçu já derrubando um mito, frequente quando se lê sobre esse destino: não é um passeio suuuuper barato para famílias. E já explico o porquê.

Essa foi nossa segunda vez na cidade, e dessa vez em 5: marido e eu, os 2 malinhas (8 e 5 anos) e meu enteado de 14 anos (que já conta como adulto). Por mais que sua hospedagem seja bem localizada, os passeios são longe (em média, uns 15 a 20 km; aqueles além da fronteira – Argentina e Paraguai – ainda mais longe), então o meio de locomoção é uma escolha importante e é o que encarece os passeios. Cogitamos alugar um carro, mas eu fiquei um pouco receosa de ficar atravessando a fronteira com carro alugado (apesar da nossa experiência positiva no Uruguai, que contei aqui). Levantamos também os preços para comprar translados nas agências de turismo, mas como estávamos em 5 achamos que ficaria caro demais (em média R$ 190/ pessoa). Optamos então pelo táxi, como fizemos da primeira vez, há 6 anos – levamos o assento do carro (ou booster) para o malinha menor e encontramos um taxista com carro que acomodasse todos nós com segurança (uma Spin de 7 lugares). No total, o gasto médio foi de R$ 200 ou R$ 300 por dia, dependendo da distância do passeio.


Se for alugar um carro para fazer essa viagem, faça uma cotação com nosso parceiro Rentcars.


Para os passeios dentro da cidade – Parque das Aves, Parque das Cataratas, Itaipu – é possível ir de transporte público… mas faltou disposição pra nós para carregar os malinhas de ônibus, além do cansaço, pois em todos eles é preciso andar bastante e no final do dia estávamos todos acabados. Essa seria a opção mais econômica.

Dito isso, voltamos ao ponto principal: Foz do Iguaçu é uma viagem imperdível para se fazer em família! O forte, nem é necessário falar, são as cataratas… tanto do lado brasileiro quanto do argentino, são impressionantemente lindas. Conhecer Itaipu e toda sua estrutura dá uma força no orgulho de ser brasileiro (mesmo porque anda meio difícil resgatar esse orgulho, não é?). E quem tiver disposição e $$ pode se arriscar no Duty Free da fronteira com a Argentina e/ou atravessar a fronteira para o Paraguai e voltar cheio de muambas.

atravessando a fronteira

Compramos as passagens (SP-FOZ-SP, pela Azul) numa promoção da ViajaNet, R$ 200 por pessoa, há alguns meses. Tivemos uma dor de cabeça uns dias antes da viagem pois mudaram nossas passagens de repente – ida por um aeroporto e volta por outro, e uma conexão impossível de fazer na volta. Ao final de muitas ligações e stress, acertamos as passagens diretamente com a Azul, pois a ViajaNet se mostrou totalmente incompetente para resolver nosso problema.

Há muitas opções de hospedagem em Foz, nós optamos pelo Hotel 3 Fronteiras, de categoria bem turística, mas que tinha um quarto onde caberiam nós 5 e era bem localizado, com vários restaurantes por perto.

Consulte outras opções de hospedagem em Foz do Iguaçu pelo Booking

 

Como ficamos 5 dias e já conhecíamos as atrações principais, pudemos montar um roteiro redondinho, sem ser muito cansativo e incluindo um passeio que ainda não tínhamos feito: as minas de Wanda e ruínas de San Ignácio, na Argentina. Cada atração mereceu um post com todos os detalhes, mas resumidamente o roteiro ficou assim:

  • Dia 1: Itaipu
  • Dia 2: Parque das Aves, Cataratas lado brasileiro e compras na Argentina
  • Dia 3: Parque das Cataratas na Argentina
  • Dia 4: Minas de Wanda e ruínas de San Ignacio Mini, na Argentina
  • Dia 5: Templo Budista e Vale dos Dinossauros

Dia 1: Itaipu Binacional

Nossa intenção era passar o dia em Itaipu e por isso compramos os ingressos antecipadamente, para poder ajustar os horários de forma a fazer o maior número de passeios. Compramos pelo site (www.turismoitaipu.com.br) e planejamos o dia da seguinte maneira:

– pela manhã fizemos a Visita Panorâmica, um trajeto guiado por dentro da usina, com parada em alguns pontos estratégicos. Esse passeio não tem hora marcada e tem saída a cada 20 ou 30 minutos, por ordem de chegada.

– às 13h30, fizemos a visita ao Refúgio Biológico. Esse passeio tem hora marcada e duração de 2 horas, aproximadamente. É uma caminhada guiada de cerca de 2 km dentro da unidade criada para conservação da fauna e flora da região. Não tivemos sorte de ver os animais que vivem soltos na reserva, mas pudemos ver e conhecer a história (bem triste, na maioria dos casos) dos animaizinhos resgatados e cuidados ali dentro. Havia muitas crianças no grupo, além dos nossos malinhas, e todos adoraram conhecer um pouco mais sobre os animais.

– às 17h, fizemos o passeio de catamarã. Escolhemos o último horário para poder ver o pôr-do-sol de dentro do barco, no meio do lago de Itaipu. É a visita mais cara mas valeu cada minuto, a vista é linda e tudo dentro do barco é muito agradável (inclusive a música ambiente!). Só digo que foi maravilhoso, fechamos o dia com chave de ouro!

Nesse post todos os detalhes do Complexo Turístico de Itaipu: Itaipu Binacional: o que fazer em 1 dia

pôr-do-sol no lago de Itaipu

Dia 2: Parque das Aves, Parque Nacional das Cataratas e Duty Free na Argentina

Escolhemos fazer os dois passeios no mesmo dia, pois os parques ficam um em frente ao outro. O Parque das Aves era um passeio ansiosamente esperado pelas crianças, e não decepcionou: poder ver os pássaros bem de pertinho é realmente encantador! Chegamos cedo, antes das 9, e em 2 horas já tínhamos terminado o passeio. Aliás, o café que fica na saída é maravilhoso, perfeito para almoço ou um lanchinho, que foi o que fizemos.

Parque das Aves

Seguimos então para o Parque das Cataratas, onde pegamos o ônibus e descemos na parada Trilha das Cataratas. Já havíamos decidido que dessa vez não faríamos o Macuco Safári (o barquinho que desce lá no meio do rio) – fizemos há 6 anos, com nossa malinha de 2 anos na época (doidos!!) – porque planejamos investir em outro passeio no mesmo valor (minas de Wanda + ruínas na Argentina).

Parque Nacional das Cataratas

Malinhas se encantaram com o passeio: estava um dia lindo e quente, e acharam o máximo se molhar com a “chuvinha” das cachoeiras. E estava tão calor que nem foi preciso capa, 2 minutos depois já estávamos secos novamente. Considero esse um programa obrigatório para todo brasileiro: além da natureza deslumbrante, o parque é super organizado.

Deixamos o parque por volta das 17h e fomos para o Duty Free da Argentina fazer umas comprinhas – afinal, é muita tentação pra não aproveitar, certo? Alguns hotéis têm um serviço de van que leva os hóspedes. O nosso não tinha, por isso fomos de táxi. Como o shopping não é grande e nem tínhamos planos de grandes compras, em pouco mais de 1 hora fizemos o que queríamos e fomos embora.

Dia 3: Parque das Cataratas na Argentina

A menos de uma hora do centro de Foz do Iguaçu fica o Parque Nacional Iguazu, que é bem maior e mais “selvagem” que o parque do lado brasileiro. A grande atração ali é, sem dúvida, poder chegar pertinho da Garganta do Diabo, um conjunto de quedas d´água muito impressionante.

Garganta do Diabo

O parque conta com várias trilhas, mais ou menos sinalizadas, que levam a quedas d´água menores mas não menos bonitas. Mas tem que andar bastante… é um tal de sobe e desce escadas, vira pra cá e pra lá, passa em cima do rio… bem diferente do parque brasileiro. O dia estava lindo mas muito quente, o que potencializou o cansaço no final do dia. Programa para fortes, mas vale a pena!

Nesse post aqui uma super comparação entre os parques das cataratas lado argentino e brasileiro: Cataratas do Iguaçu: parque brasileiro X parque argentino

Dia 4: Minas de Wanda e Ruínas de San Ignacio Mini

Desde que vi o anúncio desse passeio fiquei louca pra ir. Compramos a viagem da Loumar Turismo, uma agência que opera muitos passeios em Foz, e foi o passeio mais caro dessa viagem (R$220/pessoa em 2018) mas valeu cada minuto.

As minas ficam na cidadezinha de Wanda, a cerca de 60 km da fronteira, onde um guia conta a história do lugar e dá detalhes de como são formadas e extraídas as pedras preciosas. Impressionante ver como as pedras parecem brotar da rocha!

Minas de Wanda

Dali o ônibus segue por mais 250 km até San Ignácio, onde ficam as ruínas de uma antiga missão jesuíta, fundada no século XVII. O local é tombado como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Há um pequeno museu, com peças da época e uma maquete de como era a missão no auge da sua ocupação. Em seguida, um guia leva o grupo até as ruínas e explica como era o funcionamento da comunidade. Uma aula de História ao vivo, e mais um triste episódio da colonização – os jesuítas foram expulsos e os índios, dizimados. Teria sido melhor se o nosso guia tivesse uma dicção um pouco mais clara…

É um passeio bem longo – deixamos o hotel às 7 da manhã e só retornamos às 7 da noite – mas vale a pena, principalmente com crianças maiores, que já tenham estudado essa parte da História.

Ruínas de San Ignacio Mini

Nesse post todos os detalhes desse passeio: Minas de Wanda e San Ignácio Mini – a Argentina perto de Foz do Iguaçu

Dia 5: Templo Budista e Vale dos Dinossauros

Era o nosso último dia e só tínhamos o período da manhã, pois nosso voo de volta era após o almoço. O templo fica numa região mais alta e afastada da cidade, de onde se tem uma bela vista. Ficamos todos impressionados com o tamanho das estátuas. Adoro esse tipo de lugar porque incentiva mil perguntas… no caso, eu não sabia responder muitas delas, mas juntos procuramos as respostas. O blog Panorama de Viagem tem um post completo sobre o Templo Budista de Chen Tien aqui: Templo Budista em Foz do Iguaçu

templo budista em Foz do Iguaçu

Dali nossa intenção era ir até o Marco das 3 Fronteiras, mas estava fechado – como era dia de semana comum, só abre após as 14h. Decidimos ir então até o Vale dos Dinossauros, que já era caminho para o aeroporto. O parque é uma réplica do que existe em Gramado e já conhecíamos (assim como o Dreamland Museu de Cera, que fica ao lado), uma trilha com muitos dinossauros que “rugem” e se movem conforme passamos ao lado deles. Destaque para o giganotossauro, que impressiona pela altura absurda. Uma coisa que me irrita nesse grupo de parques é o surgimento dos fotógrafos do nada: em determinados pontos, só se pode ultrapassar e tirar fotos com os tais fotógrafos, que ficam insistindo e depois nos cobram mais de R$20 por foto. O ingresso não é barato (R$ 50), portanto acho meio forçar a barra fazer isso. O mesmo do lado de fora: havia um boneco Transformers gigante mas não se podia chegar perto pra tirar foto, uma decepção para os pequenos.

Vale dos Dinossauros

>> Leia mais aqui: Onde ver dinossauros no Brasil – dicas de parques e museus

Mais sobre Foz do Iguaçu e algumas dicas

>> Em um fim de semana prolongado de 3 dias é possível conhecer as principais atrações de Foz do Iguaçu, mas essa é uma viagem que pode ser esticada para até uma semana pois há várias outras opções que podem ser encaixadas no roteiro: city tour em Foz, em Puerto Iguazu e em Ciudad del Este; compras no Paraguai; o Marco das 3 Fronteiras (do lado brasileiro e do argentino); passar mais um dia em Itaipu e fazer Ecomuseu e Pólo Astronômico; pra quem estiver disposto a gastar um pouco mais, tem o Macuco Safári e o passeio de helicóptero pelas cataratas. O blog Chikas Lokas tem um post super bacana para quem quiser aproveitar a proximidade de Foz do Iguaçu com o Paraguai e com a Argentina e cruzar a fronteira: Paraguai e Argentina em um único dia: Conhecendo Puerto Iguazú e Ciudad del Este

>> A família do blog Mapa na Mão também fez essa viagem e tem um post completíssimo sobre Foz: O que fazer em Foz em Foz do Iguaçu.

>> Por coincidência, fomos entre abril e maio nas duas vezes em Foz, pegamos muito sol e bastante calor, mas não insuportável. Nos falaram que os verões são muito quentes e que no inverno faz bastante frio de madrugada e à noite, o que pode incomodar principalmente as crianças menores.

>> Nós não ligamos muito pra hotel pois encaramos mais como um lugar pra tomar banho e dormir, mas pra quem quiser um pouco mais de conforto há algumas boas opções na cidade – inclusive o luxuoso Belmond, que fica dentro do Parque das Cataratas.

>> Como eu disse lá no começo desse post, considero um passeio obrigatório pra quem é brasileiro. As cataratas são consideradas uma das 7 maravilhas da natureza desde 2011 (as outras são: a Floresta Amazônica, a Baía de Ha Long (Vietnã), Ilha Jeju (Coreia do Sul), Komodo (Indonésia), Rio Subterrâneo Puerto Princesa (Filipinas) e Montanha da Mesa (África do Sul).

>> Novamente demos uma câmera na mão de cada malinha em alguns momentos da viagem. Eles adoram! E temos a chance de ver um pouco as coisas da perspectiva deles.

>> Dica importante para quem for levar as crianças sem um dos pais (ou sem os pais): é preciso uma autorização autenticada em cartório para cruzar a fronteira. Neste post do blog Casal a Bordo também há muitas informações sobre as regras de autorização de viagem para menores de idade: Novas regras de Autorização de Viagem para menores

Alguns links úteis


Reserve visitas guiadas, excursões e transfers em Foz do Iguaçu pelo nosso parceiro Civitatis.


Salve essa imagem no seu Pinterest

Gostou? Compartilhe!

Planeje sua viagem!

Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.

Search

Quem Somos

Somos uma família de 4: eu, Cíntia, engenheira de formação mas que sempre gostei de escrever e viajar; marido, que me acompanha nas viagens desde 2009; e nossos dois malinhas, Letícia e Felipe, atualmente com 14 e 11 anos, que carregamos por todos os lugares desde que ainda estavam na minha barriga.

Fazemos Parte

Siga no Facebook

Siga no Pinterest

Siga no Instagram

Reserve sua hospedagem

Booking.com

Vá de carro

Viaje de ônibus

Reserve tours guiados e transfers

Não viaje sem seguro

Seguro Viagem Geral 2

Ofertas aqui

Compre livros e muito mais

Posts Recentes

Livros para refletir sobre o racismo

No mês da Consciência Negra, alguns livros para refletir sobre o racismo, suas origens e consequências, em tempos e países diversos.

Como é o Olival em Cunha

Como é a visita a um dos lugares mais bonitos de Cunha: o Olival, na serra entre Cunha e Paraty.

Chegou o momento das férias

O período de férias do meio do ano é a oportunidade esperada para um merecido descanso e poder desfrutar de uma pausa que permita se

Museu Hering em Blumenau

Um museu interativo que reúne história, cultura e moda em Blumenau, através da história da Cia. Hering.

Continue entre Mochilas e Malinhas

9 respostas

  1. Estou doida p fazer essa viagem para Foz do Iguaçu novamente, pois fui quando era adolescente e nesse seu post percebi que muita coisa mudou. Quero levar o marido que ainda não conhece. Adorei o post

  2. Na minha opinião, Foz do Iguaçu é só o melhor destino nacional. Em termos de natureza, é um dos melhores destinos do mundo, e fico triste que muitos não cogitem conhecê-lo. Excelente o post! Muito completo sobre tudo para se fazer por lá!

    Não cheguei a visitar as Ruínas de San Ignácio no lado argentino.. Nem sabia da existência. Na próxima, visitarei! (mesmo achando que é um pouquinho longe…)

  3. Seu roteiro ficou bem interessante! Quando fui para Foz não consegui visitar o templo Budista, queria muito ter ido mas nao deu tempo. Ficou para uma próxima!

  4. Que viagem legal! Estive em Foz do Iguaçu quase 20 anos atrás e só fiz o básico mesmo acho que em 4 dias. Tô querendo mto voltar pq hoje em dia tem mto mais opções de passeio! Adoro coisas históricas então daria prioridade pras ruínas de San Ignacio e depois de ter feito um passeio de helicóptero no Rio de Janeiro e AMADO a experiência, vou ter que juntar mais dinheiro pra conhecer as Cataratas do alto também!

  5. Amei seu roteiro por Foz do Iguaçu! Meus pais vão viajar pra lá e vou passar pra eles, porque quando fui foi tão corrido que não conheci quase nada 🙁

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *