Search

Museu da Imigração Japonesa + o que fazer no Bairro da Liberdade, em SP

Conteúdo atualizado em 22 de maio de 2024

Localizado na zona central da cidade de São Paulo, vizinha à Sé, o bairro da Liberdade é um verdadeiro reduto do Japão em meio à metrópole. Suas origens remontam a 1912, quando os imigrantes japoneses começaram a ocupar os imóveis na rua Conde de Sarzedas – e a razão era simples e nada romântica: a maioria das casas dessa rua tinha porões, e o aluguel de quartos no subsolo era mais barato que de quartos comuns. Para os imigrantes que chegavam ao Brasil com pouco dinheiro, esse era um diferencial e tanto.

Aos poucos, os imigrantes implementaram atividades comerciais e culturais e o bairro foi crescendo em torno dessa comunidade. O bairro da Liberdade tornou-se a maior colônia japonesa da cidade e com os passar dos anos cresceu tanto que hoje é considerada a maior comunidade japonesa fora do Japão.

As referências são tantas que, andando pelo bairro, a sensação é de estar mesmo num pedacinho do Japão: a arquitetura, as lanternas japonesas presentes em várias ruas, o grande número de restaurantes de comida japonesa, as lojas com produtos típicos, os ideogramas japoneses nas fachadas das lojas… isso sem falar na programação de festas típicas japonesas e orientais que acontecem ao longo do ano.

em meio aos toriis da Rua Galvão Bueno, na Liberdade

Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil

Como não poderia deixar de ser, é no bairro da Liberdade que fica o museu com o maior e mais completo acervo sobre a imigração japonesa no Brasil: o Museu da Imigração Japonesa ocupa três andares do prédio do Bunkyo, a Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa.

No seu acervo de mais de 97 mil itens, há de tudo: fotos, documentos, filmes, livros, pinturas e inúmeros objetos de todos os tipos, todos pertencentes a imigrantes japoneses. O museu, inaugurado em 1978, deixa clara sua intenção desde a entrada: preservar e transmitir a história da imigração japonesa no Brasil.

A visita segue uma ordem cronológica, desde uma réplica do navio que trouxe os primeiros japoneses para o país em 1908 (cuja lista de passageiros pode inclusive ser consultada no site), objetos e roupas trazidos por eles, localização das primeiras colônias, documentos e fotos, e um pouco da história do Japão na época. Há até os cartazes usados para fazer propaganda e atrair os japoneses para o Brasil – a maioria deles nunca nem tinha ouvido falar dessa terra tão distante. Também é possível conhecer uma réplica da típica casa de um colono japonês, assim como muitos objetos utilizados no trabalho agrícola.

Seguindo a ordem cronológica, passa-se pela fase da Segunda Guerra Mundial, uma época bastante difícil para os imigrantes japoneses em todo o mundo por conta do posicionamento do Japão – no Brasil não foi diferente. Há também um espaço falando das principais empresas nipo-brasileiras e da importância das atividades comerciais criadas pelos imigrantes, muitas delas ainda desconhecidas aqui, como a produção de seda. E para os saudosistas, há toda uma área dedicada aos inesquecíveis personagens japoneses que fizeram muito sucesso no Brasil em décadas passadas, como o Ultraman.

Por último, vale a pena conhecer também o espaço no térreo, adicionado ao museu em 2019, onde são instaladas exposições de arte temporárias.

Todos as informações de como chegar, horário de funcionamento, detalhes do acervo, programação, preço dos ingressos e mais podem ser consultadas no site Museu Histórico. No perfil do Instagram @museumhijb também é possível acompanhar a agenda e outros detalhes de funcionamento do museu.

O que fazer no Bairro da Liberdade – outros passeios

Comer nos restaurantes japoneses

Para quem gosta de comida japonesa, a Liberdade é o paraíso! São muitas as opções de restaurantes espalhadas pelas ruas do bairro, além de mercadinhos que vendem produtos típicos japoneses. Um dos restaurantes mais famosos é o EatAsia, uma franquia que utiliza os amados personagens japoneses, como Hello Kitty e Godzilla, como chamariz para os clientes. Há duas unidades no bairro, inclusive uma totalmente temática da Hello Kitty, além de outra em Moema e até uma aqui em São José dos Campos.

Perambular pelo comércio

Para quem gosta de animes e personagens japoneses, a Liberdade é o lugar certo para encontrar todo tipo de coisa relacionada a eles. Há lojas, encontros de fãs e shoppings inteiros só dedicados aos personagens – um dos mais famosos é o Sogo Plaza Shopping, que tem tudo que se possa imaginar sobre o universo de animes e mangás.

vitrine de uma das lojas do Shopping Sogo

Passear pela feirinha da Liberdade e pelas ruas próximas

Na Praça da Liberdade, praticamente na saída da estação de metrô Japão-Liberdade, acontece a famosa feirinha da Liberdade aos fins de semana. Distribuídas nas tendas brancas e vermelha há de tudo: comida, itens colecionáveis de animes e mangás, e quinquilharias de todo tipo. A programação e horários de funcionamento podem ser consultados no perfil @feiradaliberdade.

Fazer um tour guiado

Essa dica é para quem quer conhecer mais a fundo o bairro e sua história: contratando uma visita guiada, é possível fazer um tour completo pela Liberdade que inclui também o Museu da Imigração Japonesa. E os mais dispostos podem também querer fazer um tour pelo centro de São Paulo, que fica ali pertinho.


Reserve sua hospedagem em São Paulo pelo Booking

Booking.com

Passear em São Paulo é sempre uma ótima pedida! Confira também esses outros passeios que já fizemos na capital paulista:

  • O Farol Santander é um centro cultural completo e conta com exposições temporárias sempre bacanas (além do acervo próprio permanente e dos bares e restaurantes que ficam no mesmo prédio)
  • O centro antigo de SP fica bem pertinho do bairro da Liberdade e dá para emendar um passeio pela Galeria do Rock – foi o que nós fizemos.
  • Para os fãs de Harry Potter, recomendamos muito conhecer as hamburguerias Vassoura Quebrada e Beco Hexagonal – nossos malinhas amaram!
  • A Avenida Paulista fica totalmente aberta aos pedestres aos domingos e é um passeio incrível! Dá para conferir as atrações gratuitas e também visitar o MASP.

Salve essa imagem no seu Pinterest

Gostou? Compartilhe!

Planeje sua viagem!

Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.

Search

Quem Somos

Somos uma família de 4: eu, Cíntia, engenheira de formação mas que sempre gostei de escrever e viajar; marido, que me acompanha nas viagens desde 2009; e nossos dois malinhas, Letícia e Felipe, atualmente com 14 e 11 anos, que carregamos por todos os lugares desde que ainda estavam na minha barriga.

Fazemos Parte

Siga no Facebook

Siga no Pinterest

Siga no Instagram

Reserve sua hospedagem

Booking.com

Vá de carro

Viaje de ônibus

Reserve tours guiados e transfers

Não viaje sem seguro

Seguro Viagem Geral 2

Ofertas aqui

Compre livros e muito mais

Posts Recentes

Livros para refletir sobre o racismo

No mês da Consciência Negra, alguns livros para refletir sobre o racismo, suas origens e consequências, em tempos e países diversos.

Como é o Olival em Cunha

Como é a visita a um dos lugares mais bonitos de Cunha: o Olival, na serra entre Cunha e Paraty.

Continue entre Mochilas e Malinhas

9 respostas

  1. Eu estive no Bairro da Liberdade há alguns anos e adorei o lugar. Não visitei o Museu da Imigração Japonesa, mas espero ter a oportunidade. O acervo parece ser interessantíssimo! Vendo as imagens do Ultraman, lembrei de uma coisa: o filho de uma amiga que tem 5 anos, sabe-se lá como conheceu este super-herói e pediu uma roupa. Ela teve que importar da China hahaha
    Quando criança eu assistia a muitos seriados japoneses. Imagino que visitar o museu será uma grande nostalgia para mim.

    1. Eu imagino a dificuldade para achar a fantasia do Ultraman hahaha o meu filho ama o Godzilla e mesmo com os filmes mais atuais é uma dificuldade achar coisas relacionadas a ele.

  2. Nossa, amei o bairro da Liberdade, mas não visitei o Museu. Que pena! Parece uma parte do passeio imperdível. Próxima visita irei ao Museu com certeza.

  3. Se tem um lugar que eu amo é o bairro Liberdade, quando penso em São Paulo, logo penso nele hahahhaha, mas não conheci o Museu da Imigração Japonesa, uma pena.

  4. Como é importante conhecer a história para dar contexto a um destino, não é mesmo? Sabia da importância da comunidade japonesa no Brasil, mas desconhecia tanto do que vc narrou no artigo. Em Portugal não passamos pela febre do Ultraman, que curioso. Come-se um bom ramen nesse bairro (o meu filho é fã)?

  5. Adoro passear pelo bairro da Liberdade em São Paulo! O Museu da Imigração Japonesa é muito interessante e fiquei impressionada com sua qualidade na apresentação das informações e objetos. Muito bom conhecer mais da história de um povo que contribuiu tanto para SP, não é?

  6. É sempre muito legal passear pela Liberdade né? Ainda não conheço o Museu da Imigração Japonesa, mas o que mais quero fazer mesmo é um tour guiado pelo bairro pq sempre que vou, acabo só tirando fotos, passeando pelas lojas e cafeterias hehehe

  7. Em 2017 passei pelo bairro, mas não pelo museu. Esses museus são sempre importantes para recordar uma parte da história importante. Mito interessante seu post.

  8. Eu fui no museu da Imigração japonesa quando era criança e lendo o seu post meu deu muita vontade de voltar. Você indica algum lugar interessante para almoçar pertinho de lá?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *