Search

Como é a Trilha da Pedra da Macela, em Cunha

Conteúdo atualizado em 25 de janeiro de 2024

A Trilha da Pedra da Macela, localizada na fofíssima cidade de Cunha, é um dos pontos turísticos mais conhecidos e procurados na cidade, atração perfeita para os amantes da natureza e pseudoaventureiros (como nós) que amam um desafio rsrs Situada na região da Serra da Bocaina, na divisa entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, essa trilha oferece uma experiência única, combinando a beleza das montanhas com o desafio de uma caminhada com muita subida íngreme.

Cunha é conhecida pelos campos de lavanda, pela produção de cerâmica, pelo número de fuscas e, claro, pela famosa Pedra da Macela, que é o ponto culminante dessa trilha. A caminhada até o topo da pedra é recompensada com uma vista panorâmica espetacular das montanhas, da Baía de Paraty e parte da Baía de Ilha Grande.

Neste post vamos contar os detalhes da Trilha da Pedra da Macela, que fizemos num dia ensolarado de setembro, junto com nossos malinhas de 10 e 13 anos. Já vale adiantar: fácil não foi, mas valeu muito a pena!


Se for alugar um carro para fazer essa viagem, faça uma cotação com nosso parceiro Rentcars.


Sobre a Pedra da Macela

A Pedra da Macela faz parte do Parque Nacional da Serra da Bocaina, uma das maiores áreas protegidas de Mata Atlântica no Brasil. Localiza-se em um trecho da Serra do Mar, na divisa entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, e tem mais de 1840 metros de altitude – por isso é considerada o mirante mais importante do parque, pois permite uma visão 360o dos arredores. Do topo da Pedra da Macela pode-se ver parte do litoral do estado do Rio de Janeiro (Paraty e Angra dos Reis) e uma boa parte do Vale do Paraíba (no estado de São Paulo).

A Pedra da Macela ganhou esse nome pois entre a sua vegetação é muito comum encontrar uma plantinha chamada macela, um arbusto com pequenas flores amarelas semelhantes às da camomila – inclusive a macela é também conhecida como camomila brasileira. Ela é também conhecida por suas propriedades medicinais e por ser utilizada como enchimento de travesseiros.

Como chegar ao início da trilha da Pedra da Macela

Para chegar ao início da trilha propriamente dita, é preciso seguir de carro pela serra Cunha-Paraty até o km 65 e pegar a saída para o bairro da Macela (não há nenhuma indicação específica para a Pedra da Macela). A partir dali são cerca de 5 km em estrada de terra (com alguns poucos trechos asfaltados) até o estacionamento e o início da trilha.

Na entrada há uma guarita, onde há uma pessoa responsável pelas informações do local, um banheiro seco e bebedouros. A entrada e o estacionamento são gratuitos.

Como é a trilha da Pedra da Macela

Oficialmente, a trilha da Pedra da Macela é considerada de dificuldade moderada e concordamos com essa classificação. Em termos de obstáculos ela é muito fácil, pois não tem nenhum: é uma estrada aberta e pavimentada com bloquetes, e somente um curto trecho já quase no cume é de terra (mas pelo que vimos, estão fazendo a pavimentação até o final da estrada).

O que pega mesmo é a distância e a altitude: a trilha tem 2,3 km praticamente só de subida, o que requer um bom fôlego. Os primeiros 500 ou 600 metros são tranquilos, mas a partir dali são raros os trechos planos. Alguém com bom preparo físico pode levar de 30 a 40 minutos andando – nós levamos mais de 1h30, pois fomos parando de tempos em tempos, e desacelerando nos trechos mais íngremes.

Nós fizemos a trilha da Pedra da Macela num dia claro e ensolarado, mas não fazia muito calor – o que foi uma sorte, pois subimos no pior horário do dia e chegamos ao topo ao meio-dia (por isso as fotos não ficaram tão bonitas, o sol a pino não colaborou). Há alguns trechos de sombra mas por ser uma estrada aberta em muitos trechos não há como fugir do sol, por isso é importante caprichar no filtro solar, na hidratação e, de preferência, usar um boné ou chapéu e óculos escuros.

>> Leia aqui nossas dicas básicas para fazer trilhas com crianças <<

E mais importante que tudo, para chegar lá em cima e conseguir aproveitar o visual: respeite o seu ritmo – e de quem mais estiver com você. Nossas crianças, de 10 e 13 anos, sofreram um pouco (e reclamaram sem parar hahaha), assim como eu, que não tenho aquele condicionamento físico. Mas fomos parando, tomando água, conversando sobre outros assuntos, e quando vimos já tínhamos chegado. Vimos outras famílias subindo, algumas com crianças mais novas que as nossas, provando que é um programa possível sim de se fazer em família.

aquele pulinho de alegria de quem chegou ao topo

Mas mais importante que tudo, o visual lá de cima vale a pena! São vários mirantes onde pode-se ter uma vista privilegiada do mar, de um lado, e de um “mar” de montanhas, do outro – difícil dizer qual lado é mais bonito.

Muita gente se programa para ver o nascer ou o pôr-do-sol lá em cima, e tanto um como outro devem ser lindos mesmo! Só vale lembrar que não há iluminação na trilha, por isso levar uma lanterna é fundamental, especialmente para quem vai descer ao anoitecer. Os mais aventureiros também podem acampar no topo da Pedra da Macela – só vale se atentar que vai ser camping selvagem, pois além do espaço reservado para acampamento e uma bica d’água, não há nenhuma outra estrutura por ali (nem banheiros, é importante dizer).

Outros pontos turísticos de Cunha

Confira o resumo do nosso fim de semana em Cunha aqui:


Encontre sua hospedagem em Cunha pelo Booking:

Booking.com

Reserve visitas guiadas, excursões e transfers na região de Cunha e Paraty pelo nosso parceiro Civitatis.


Salve essa imagem no seu Pinterest

Gostou? Compartilhe!

Planeje sua viagem!

Utilizando os links dos nossos parceiros abaixo, você não paga nada a mais e nos ajuda a continuar produzindo conteúdo bacana e atualizado.

Search

Quem Somos

Somos uma família de 4: eu, Cíntia, engenheira de formação mas que sempre gostei de escrever e viajar; marido, que me acompanha nas viagens desde 2009; e nossos dois malinhas, Letícia e Felipe, atualmente com 14 e 11 anos, que carregamos por todos os lugares desde que ainda estavam na minha barriga.

Fazemos Parte

Siga no Facebook

Siga no Pinterest

Siga no Instagram

Reserve sua hospedagem

Booking.com

Vá de carro

Viaje de ônibus

Reserve tours guiados e transfers

Não viaje sem seguro

Seguro Viagem Geral 2

Ofertas aqui

Compre livros e muito mais

Posts Recentes

Livros para refletir sobre o racismo

No mês da Consciência Negra, alguns livros para refletir sobre o racismo, suas origens e consequências, em tempos e países diversos.

Como é o Olival em Cunha

Como é a visita a um dos lugares mais bonitos de Cunha: o Olival, na serra entre Cunha e Paraty.

Chegou o momento das férias

O período de férias do meio do ano é a oportunidade esperada para um merecido descanso e poder desfrutar de uma pausa que permita se

Museu Hering em Blumenau

Um museu interativo que reúne história, cultura e moda em Blumenau, através da história da Cia. Hering.

Continue entre Mochilas e Malinhas

9 respostas

  1. Passei duas vezes por Cunha, mas nunca paramos para conhecê-la! A vista do mar là de cima deve ser realmente deslumbrante, mas realmente… o sol atrapalhou a imagem! Demorei para encontrá-lo! E imagino que a gente aqui também sofreria com a subida… A minha criança certamente iria reclamar que nem as suas – hahahahaha

  2. Quando estive em Cunha eu visite um parque onde fizemos umas trilhas planas. Acho que erra esse, não me recordo direito o nome. Mas não chegamos a fazer a Pedra da Macela.
    Pegamos uma estrada de terra meio chatinha, mas valeu a pena a experiência.
    Fiquei aqui babando com o visual da Pedra da Macela.

  3. Preciso fazer a trilha da Pedra da Macela de novo, porque adorei! No dia em que fui, estava sol, mas o ar estava meio úmido, então a visibilidade não era das melhores. Adorei o post! Parabéns!

  4. Achei a trilha da Pedra da Macela bem interessante e imagino a sensação de vitória que os seus filhos sentiram quando chegaram ao topo. Deve ser incrível

  5. “Que descoberta incrível este artigo sobre a Serra da Bocaina! Estou animada para explorar suas trilhas e cachoeiras. Obrigada por compartilhar essas dicas valiosas para uma experiência inesquecível na natureza!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *